Lançado em Tamandaré o Projeto TerraMar

Promover a integração entre o Ministério do Meio Ambiente (MMA), o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, órgãos estaduais do meio ambiente, entre eles a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco e a Agência CPRH, além de setores da pesca, turismo e movimentos da sociedade civil para proteger e promover o uso sustentável da biodiversidade marinha e costeira das regiões da Área de Proteção Ambiental Costa dos Corais (entre Pernambuco e Alagoas) e Banco de Abrolhos (no limite entre a Bahia e o Espírito Santo). Foi com esse objetivo que foi lançado emk agosto, em Tamandaré, Litoral Sul de Pernambuco, o Projeto TerraMar, que será desenvolvido pelo Departamento de Zoneamento Territorial do MMA, até 2020, com investimentos de 11 milhões de euros (cerca de R$ 42 milhões de reais) da Agência de Cooperação Técnica Alemã.
A cerimônia de lançamento contou com a presença da chefe do Departamento de Assuntos Internacionais de Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente alemão, Almuth Ostermeyer-Schlöder,  do secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do MMA, Carlos Mário Guedes, que representou a ministra Izabella Teixeira, o presidente do ICMBio, Cláudio Maretti, além do secretário executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, Carlos André Cavalcanti.

Sobre o TerraMar
O projeto é inédito porque tanto olha para as necessidades de preservação e conservação do mar, quanto para as do continente, na intenção de identificar todas as ameaças aos ecossistemas.
O Diretor de Departamento de Zoneamento Territorial do MMA, Adalberto Eberhard, explica que serão iniciados os diálogos com todas as instituições e esferas de governo inseridos no TerraMar. “É preciso entender que só teremos Unidades de Conservação verdadeiramente protegidas se suas áreas de entorno estiverem sendo geridas de forma integrada, dentro de uma perspectiva de ordenamento territorial”.
“É fundamental entender que a gestão participativa de uma área de proteção ambiental é o motivo principal de seu sucesso. Nós precisamos de pesquisa, de fiscalização, de controle, precisamos de monitoramento. Mas, é na participação que uma área de proteção ambiental tem todo seu sentido”, completa Maretti.
O TerraMar atuará de modo complementar a outros projetos destinados à zona costeira e marinha, em especial ao Projeto Áreas Marinhas Protegidas - GEF-Mar. Também apoiará o Brasil no cumprimento das metas de Aichi; sobretudo das metas 2 - Integrar os valores da biodiversidade no desenvolvimento; 6 - Pesca sustentável; 10 - Redução dos impactos sobre os recifes de corais; e 11 - Ampliação e consolidação do sistema de conservação da zona costeira e marinha.