Sinproja quer informações sobre reforma de biblioteca

Foto: Internet
O casario que abriga há aproximadamente 10 anos a biblioteca Poeta Benedito Cunha Melo, em Jaboatão Centro, passa por uma reforma que não expõe a comunidade os prazos e valores da obra. O imóvel localizado na Rua Marilia Martins foi fechado após queixas e denúncias na imprensa quanto à falta de infraestrutura para abrigar os livros, funcionários e leitores. Lonas plásticas cobriam os exemplares, as janelas e portas caindo e infiltrações nas paredes levaram educadores a evitar as visitas com os alunos. Desde abril o casario foi fechado e a biblioteca mudou de lugar, porém, até agora a população não tem informações sobre quando terá a biblioteca de volta ao centro de Jaboatão.
A lei federal de dezembro de 1966, que regulamenta a profissão de engenheiro, também prevê a inclusão de dados técnicos sobre obras públicas em placas informativas. Valores das obras, prazo de conclusão, empresa construtora e técnico responsável, são informações necessárias ao conhecimento público, evitando inclusive notificações e até penalizações judiciais ao ente público responsável. No caso da biblioteca municipal de Jaboatão, o responsável é a prefeitura que iniciou a intervenção sem qualquer esclarecimento.
Em matéria no site da PMJG é possível identificar um valor orçado em R$ 195 mil, mas tão necessário quanto o valor é saber o prazo de execução que se depender da extensão, possíveis paralisações ou mudanças contratuais, pode impactar no valor final do serviço. Logo, cobrar pela fixação de uma placa informativa é tão legítimo quanto necessário, principalmente se tratando de uma amiga tão importante para a professor e a educação municipal, quanto a biblioteca. (Fonte: Sinproja)
A biblioteca, segundo a prefeitura de Jaboatão, está funcionando no primeiro andar da Casa da Cultura, das 8 às 14h.